Home » Crônicas de Ademar Rafael » Crônica de Ademar Rafael

Crônica de Ademar Rafael

FOTO COM FILTRO

Tem sido comum em nosso país vermos agentes públicos com mandatos eletivos, indicados, nomeados ou concursados nas três esferas União, Estados e Municípios e nos poderes Executivo, Legislativo  e Judiciário abdicarem aos princípios básicos da Administração Pública: “Legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”, adormecidos no Artigo 37 de Constituição Federal em favor da popularidade e da quantidade de seguidores nas plataformas virtuais.

Esses falsos defensores da democracia fogem da alternância do poder e dormem abraçados com a perpetuação nos cargos no modelo das “capitanias hereditárias”. Uma leitura rápida pode ligar estes comportamentos à questão da reeleição nos cargos do executivo, no entanto um mergulho profundo no tema não encontra amparo para esta justificativa hipótese nos demais cargos.

Assusta-nos verificar que a essa pratica é alimentada pela percepção de uma sociedade doente, que mede o desempenho dos gestores pelos níveis de popularidade e pelo quantitativo de seguidores nas redes sociais, com isto os princípios acima enumerados pulam do estágio “adormecidos” para o patamar  “mortos”.  A vulgaridade banca a nociva prática.

Todas as vezes que vejo elevados gastos com campanhas publicitárias de agentes públicos, especialmente do Executivo e Legislativo, assim como a excessiva exposição em redes socais percebo numa “foto com filtros” a cara de um projeto de nação que tudo permite em favor dos seus mandatários. Os custos de  tais publicações sugam os recursos restritos e impedem que sejam usados em favor dos brasileiros.

Em minha opinião, respeitando as opiniões contrárias, entendo que a polaridade perseguida deveria ter origem numa gestão de acertos e jamais dependerem de reiteradas mensagens nos diversos canais das mídias socais. Não é este o entendimento das autoridades, uma pena.


Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments