Home » Sem categoria » Projeto de Joaquim Lira vira Lei que proíbe bombas de sucção em piscinas

Projeto de Joaquim Lira vira Lei que proíbe bombas de sucção em piscinas

Após passar por aprovação em 2ª discussão no plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o Projeto de Lei Ordinária (PLO) 1664/2020, de autoria do deputado estadual Joaquim Lira, que dispõe sobre a proibição de funcionamento de bombas de sucção em piscinas coletivas, foi transformado na Lei n° 17.240, em vigor desde o dia 29 de abril.

Ou seja, a partir de agora, piscinas coletivas instaladas em clubes, academias, agremiações, condomínios, hotéis, chácaras e outros assemelhados, durante o período em que estiverem abertas aos usuários, estão vetados de utilizar as referidas bombas, pois elas podem causar danos à integridade física ou até provocar a morte de uma pessoa em caso de acidente.

Outro ponto importante da lei em comento se refere à manutenção da piscinas, as quais devem estar sinalizadas avisando sobre o procedimento. Além disso, os ralos convencionais destes espaços devem ser substituídos por ralos com tampa anti-sucção de cabelo ou dispositivo similar que interrompa o processo de absorvência.

“Essa lei foi criada com o intuito de evitar tragédias em momentos que deveriam ser de lazer. Algumas estatísticas nos mostram o quanto é possível de acontecer acidentes envolvendo esses equipamentos. De longe, nos parece ser difícil uma ocorrência desta natureza, mas a prevenção é sempre o melhor caminho para que eventuais acidentes não ocorram e depois fique a sensação de que poderiam ser evitados”, destacou Joaquim Lira.

DADOS
Segundo dados do Corpo de Bombeiros e da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático – Sobrasa, o afogamento é a segunda causa de morte em crianças de 1 a 9 anos e a terceira entre os jovens de 10 e 19 anos. Em média, a cada quatro dias uma criança morre afogada em uma piscina no país.

O levantamento aponta ainda que as piscinas respondem por 53% de todos os casos de óbitos por afogamento na faixa de 1 a 9 anos de idade. Muitos destes provocados por bombas de sucção. Para evitar estes acidentes, os responsáveis pelas piscinas podem substituir a bomba por um sistema ante aspiração de cabelo e corpo e sempre que se utilizar a piscina deve manter a bomba desligada.


Comente sobre

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *