Home » Sem categoria » HUMBERTO DEFENDE AGILIDADE NA REFORMA POLÍTICA

HUMBERTO DEFENDE AGILIDADE NA REFORMA POLÍTICA

O senador Humberto Costa (PT-PE) disse, ontem (07), que a Reforma Política é urgente. O petista comentou os dados da pesquisa realizada pelo Ibope e encomendada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que revelam que 85% da população deseja a realização da reforma política. O levantamento foi divulgado esta semana,

Para Humberto, o levantamento acaba com qualquer dúvida de que a Reforma Política é uma demanda da população.  “Nós teremos de adotar (a Reforma Política), mais cedo ou mais tarde, queira o Congresso ou não queira o Congresso, porque a voz da população vai se fazer ouvir ”, defendeu.

Humberto acredita que as mudanças no sistema eleitoral brasileiro podem, inclusive, já valer para a próxima eleição. “Eu acredito que se houver boa vontade e interesse do Senado, da Câmara, nós teríamos condições de adotar essas medidas para a eleição do ano que vem. Mas, se isso não for possível, ainda que seja para 2016, sem dúvida, nós teremos dado um passo gigantesco para fazer com que no Brasil possamos combater a impunidade, a corrupção, as relações obscuras entre setor público e setor privado que existem hoje no nosso país”, completou.

O senador disse que um dos pontos mais importante da reforma é o financiamento de campanha. Segundo a pesquisa,  78% dos brasileiros são contrários à continuidade da doação de recursos para campanhas por parte das empresas privadas. Entre as famílias que residem em áreas de periferia e com renda de até um salário mínimo, esse índice sobe para 84%.

“Nós sabemos que a doação de recursos de campanha por parte das empresas termina sendo uma das razões a justificar e a incentivar a corrupção nesse Brasil. Empresa não vota. Por que é então que elas devem financiar as campanhas eleitorais? Quais são as empresas que financiam as campanhas eleitorais? Não são os pequenos comerciantes. Ao contrário, são os que têm interesse direto na relação com o Estado, na relação com o Executivo, na relação com o Poder Executivo e que procuram, a partir do estabelecimento dessa relação, obter benesses, sejam elas legais ou ilegais”, defendeu.


Subscribe
Notify of

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments