Home » Sem categoria » Comissão de Finanças recebe secretário para discutir Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias

Comissão de Finanças recebe secretário para discutir Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias

Em Reunião Extraordinária realizada nesta segunda (12), o secretário estadual de Planejamento e Gestão, Alexandre Rebêlo, apresentou à Comissão de Finanças da Alepe o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) 2020. Entre outros pontos, o gestor apontou a redução do endividamento do Estado nos próximos anos e reforçou a criação de mecanismos que acelerem a execução de emendas parlamentares.

A proposta do Poder Executivo estabelece as prioridades e metas da administração estadual para o próximo ano, pautando a elaboração e execução da Lei Orçamentária Anual (LOA). A matéria, encaminhada à Casa no dia 1° de agosto, receberá emendas até hoje. O relatório do colegiado deve ser votado na quarta (14) e a apreciação em Plenário está prevista para o dia 20 deste mês. Presente à reunião, o presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP), afirmou que o diálogo com o secretário “colabora para que os deputados possam fazer uma redação que atenda aos interesses da sociedade”.

Presidente do colegiado, o deputado Lucas Ramos (PSB) destacou a expectativa de superávit primário (diferença entre receitas e despesas do Governo, excetuando gastos com pagamento de juros) de aproximadamente R$ 700 milhões. “Isso registra a responsabilidade do governador Paulo Câmara com o erário público”, avaliou. Ele elogiou ainda a decisão do Governo de se antecipar à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que aumenta o percentual do orçamento a ser destinado às emendas parlamentares impositivas – o PLDO já estabelece o acréscimo, passando de 0,356% da Receita Corrente Líquida para 0,4%, num total aproximado de R$ 92,5 milhões.

As metas fiscais do PLDO estimam um crescimento aproximado de 6,4% da Receita Total em 2020, alcançando R$ 39,7 bilhões. Os investimentos devem ser mantidos nos patamares registrados desde 2015 (entre 4% e 5% da receita total). Conforme o projeto, espera-se um “tímido crescimento econômico nacional”, mas com inflação estável. O esforço de equilíbrio fiscal, segundo o documento, envolve adequar o patamar de investimentos, contingenciar despesas de custeio e manter “uma política austera” de gastos com pessoal.

Para 2021 e 2022, estão previstos aumentos das receitas totais, em Pernambuco, de 4,6% e 4,9%, respectivamente. A previsão é de que as fontes próprias cresçam a pouco mais de 5% ao ano, mas haja redução das receitas de empréstimos e repasses federais. Pelo mesmo motivo, há uma expectativa de redução da dívida do Estado dos atuais 56% da Receita Corrente Líquida para 50% em 2020, e de 39,6% até 2022. “Pernambuco terá uma trajetória de dívida declinante, pagando mais do que contratando novos empréstimos”, assinalou Rebêlo.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *