Afogados ultrapassa dos 1.000 casos positivos de Covid-19

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que hoje (22) foram registrados 17 casos para covid-19 em nosso município. Desses, 15 estavam em investigação.

São 13 pacientes do sexo feminino, com idades de 02, 13, 24, 25, 27, 31, 33, 33, 34, 41, 54, 62 e 88 anos; e 04 pacientes do sexo masculino, com idades de 22, 46, 56 e 71 anos. Entre os homens: 01 estudante, 01 agricultor,  01 autônomo e 01 profissional da segurança. Já entre as mulheres: 04 professoras, 02 agricultoras, 02 aposentadas, 01 menor, 01 estudante,  01 dona de casa,  01 téc.  administração e 01 atendente.

Entram em investigação os casos de 13 mulheres com idades entre 14 e 58 anos, e 12 homens, com idades entre 17 e 59 anos.

Hoje, 29 pacientes apresentaram resultados negativos para covid-19.

Hoje, 05 pacientes receberam alta por cura após avaliação clínica e epidemiológica. O município atingiu nesta quinta a marca de 932 pessoas (92%) recuperadas para covid-19. Atualmente, 65 casos estão ativos em nossa cidade.

O município atingiu a marca de 5.492 pessoas testadas para COVID 19.

Serra Talhada registra 32 novos casos positivos de Covid19 nesta quinta-feira

A Secretaria de Saúde de Serra Talhada informa que foram registrados 32 novos casos positivos de Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 4.411 casos confirmados. São 16 pacientes do sexo masculino e 16 do sexo feminino, com idades entre 03 e 93 anos.

O aumento no número de casos em relação aos dias anteriores ocorreu em virtude da liberação de 16 resultados de Swab positivos que estavam em análise. Dos 32 casos novos casos, 16 foram confirmados através de testes rápidos.

O município tem 37 pacientes aguardando resultado de exames e 18.843 casos descartados.
Quanto à evolução dos casos confirmados, são 4.306 pacientes recuperados, 37 em isolamento domiciliar, 07 em internamento hospitalar, 44 em recuperação e 61 óbitos. Em relação aos profissionais de saúde são 147 recuperados, 01 em isolamento e 01 óbito.

MP ingressou com recurso contra deferimento da candidatura de Evandro, diz Coligação Publicado em Notícias por Nill Júnior em 22 de outubro de 2020 Caro Nill Júnior, A decisão da Justiça Eleitoral que rejeita o Embargo de Declaração apresentado pela assessoria jurídica da Coligação Muda São José não apresenta o “inconformismo” citado na decisão da juíza eleitoral da Comarca de São José do Egito, e sim, a legitimidade de uma ação que recorre à corte judicial pelo entendimento da Lei Complementar nº. 135 de 2010, mais conhecida como Lei da Ficha Limpa, que dispõe sobre a inelegibilidade de ordenadores de despesas públicas, quando condenados por decisão de órgão colegiado. O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) entrou com recurso na 68ª Zona Eleitoral para pedir a impugnação ao deferimento do Registro de Candidatura do prefeito Evandro Valadares, reiterando os argumentos do Embargo de Declaração apresentado pela Coligação Muda São José. Na peça apresentada pelo MPPE, o promotor Dr. Aurinilton Leão, reforça a tese que o Tribunal de Contas da União é o órgão competente para julgar as contas dos prefeitos relativas à gestão de recursos federais transferidos aos municípios, nesse caso, referente à infração contra a administração pública no caso dos recursos destinados à realização da “IV FEAPA – Feira Agropecuária do Pajeú́”. Diante da decisão do TCU em que aponta as principais irregularidades da rejeição de contas e as caracteriza nos termos de “irregularidades insanáveis aptas a caracterizar ato doloso de improbidade administrativa”, tal decisão é irrecorrível no âmbito administrativo e automaticamente enquadra o prefeito na lei da Ficha Limpa, portanto, inelegível. Diante disso, o MPPE solicitou à Justiça Eleitoral indeferir, em caráter de urgência, o registro de candidatura de Evandro Valadares.

Caro Finfa,

A decisão da Justiça Eleitoral que rejeita o Embargo de Declaração apresentado pela assessoria jurídica da Coligação Muda São José não apresenta o “inconformismo” citado na decisão da juíza eleitoral da Comarca de São José do Egito, e sim, a legitimidade de uma ação que recorre à corte judicial pelo entendimento da Lei Complementar nº. 135 de 2010, mais conhecida como Lei da Ficha Limpa, que dispõe sobre a inelegibilidade de ordenadores de despesas públicas, quando condenados por decisão de órgão colegiado.

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) entrou com recurso na 68ª Zona Eleitoral para pedir a impugnação ao deferimento do Registro de Candidatura do prefeito Evandro Valadares, reiterando os argumentos do Embargo de Declaração apresentado pela Coligação Muda São José.

Na peça apresentada pelo MPPE, o promotor Dr. Aurinilton Leão, reforça a tese que o Tribunal de Contas da União é o órgão competente para julgar as contas dos prefeitos relativas à gestão de recursos federais transferidos aos municípios, nesse caso, referente à infração contra a administração pública no caso dos recursos destinados à realização da “IV FEAPA – Feira Agropecuária do Pajeú́”.

Diante da decisão do TCU em que aponta as principais irregularidades da rejeição de contas e as caracteriza nos termos de “irregularidades insanáveis aptas a caracterizar ato doloso de improbidade administrativa”, tal decisão é irrecorrível no âmbito administrativo e automaticamente enquadra o prefeito na lei da Ficha Limpa, portanto, inelegível. Diante disso, o MPPE solicitou à Justiça Eleitoral indeferir, em caráter de urgência, o registro de candidatura de Evandro Valadares.

Aparentando descontrole emocional, o prefeito Evandro Valadares, novamente ataca a advogada Dra. Hérica Nunes, que no exercício da sua profissão vem sofrendo perseguição de quem deve satisfação ao povo de São José do Egito pelo mal uso do dinheiro público.

Coligação Muda São José

Ouricuri e Afogados avançam para a Etapa 10 do Plano de Convivência com a Covid-19

O Governo de Pernambuco, após análise do Gabinete de Enfrentamento ao novo coronavírus, autorizou, a partir da próxima segunda-feira (26), o avanço das Gerências Regionais de Saúde (Geres) IX e X – que têm Ouricuri e Afogados da Ingazeira como cidades polo – para a Etapa 10 do Plano de Convivência das Atividades Econômicas com a Covid-19. Com isso, todo o Estado de Pernambuco ficará nivelado na mesma etapa do plano.
 
A Etapa 10 permite a realização de eventos corporativos, culturais e sociais para até 300 pessoas ou 50% da capacidade dos espaços. Antes, os limites eram de até 100 pessoas ou 30% da capacidade. Essa fase também autoriza a reabertura de parques de diversão, temáticos e similares, com a adoção de novos protocolos. Cinemas e teatros podem ampliar sua capacidade de lotação para a metade da sala (antes era restrita a 30%).
 
O secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, afirmou que a tendência de queda dos números validou o novo avanço, colocando todo Estado na Etapa 10 a partir da próxima semana. “Desde o dia 1° de junho, quando iniciamos nosso plano, temos conseguido fazer uma implantação gradual e planejada das atividades econômicas, com protocolo geral, em alguns casos, e protocolos específicos a serem seguidos, para que possamos dar aos pernambucanos a oportunidade de retorno ao trabalho, às atividades produtivas, gerar sua renda, mas sempre com os cuidados necessários para preservar e salvar vidas”, acrescentou.
 
INDICADORES – Em análise epidemiológica dos indicadores da Covid-19, o secretário de Saúde, André Longo, destacou que o Estado registrou, na última semana epidemiológica (SE 42), uma redução de 14% e 7% dos casos de SRAG, na comparação de uma semana e de 15 dias, respectivamente. Os números são os menores registrados desde a semana epidemiológica 11, no começo de março, mês de início da aceleração da pandemia em Pernambuco.
 
Em relação aos óbitos provocados pelo novo coronavírus, o Estado registrou uma queda de 24,5% na comparação das ocorrências de 15 dias. As taxas de mortalidade e letalidade pela doença também estão em tendência decrescente. No caso da taxa de letalidade – que é a proporção entre o número de mortes pela doença e o número total de pacientes com a enfermidade – Pernambuco está, atualmente, com a taxa abaixo de 1. O percentual chegou a 17,3 no final de março.
 
Já a taxa de mortalidade – número de pessoas que morrem por determinada doença em relação à toda a população de uma localidade – se mantém, desde agosto, abaixo de uma morte por cada 100 mil habitantes, oscilando entre 0,4 e 0,1 de taxa nas últimas semanas. É importante destacar que a taxa de mortalidade teve seu pico em maio, quando o Estado registrou nove mortes por cada 100 mil habitantes.
 
“Esse cenário tem impacto direto nos indicadores hospitalares. Ou seja, mesmo com a desmobilização de leitos, as taxas de ocupação continuam estáveis e em níveis baixos. Hoje, a ocupação média dos leitos Covid está em 54%, sendo 44% nas enfermarias e 65% nos leitos de terapia intensiva”, explicou André Longo.
 
O secretário reforçou que, mesmo com os indicadores em queda, a população pernambucana deve manter e reforçar os cuidados necessários para evitar o contágio e transmissão pela Covid-19. “Ressalto, novamente, que esses bons indicadores não nos permitem abrir mão do distanciamento social, do uso correto das máscaras e dos novos protocolos de convivência. Apesar de hoje estarmos registrando números melhores, a doença não acabou. A Covid-19 continua entre nós e ainda temos a circulação comunitária do vírus”, alertou.

Pesquisa Folha/Ipespe: João Campos lidera com 33% no Recife

Por Da Redação
A Folha de Pernambuco e o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) divulgam, nesta quinta-feira (22), a segunda rodada da pesquisa de intenções de voto para a Prefeitura do Recife. No levantamento, João Campos (PSB) assumiu a liderança, com 33%, abrindo uma diferença de 15 pontos percentuais em relação a Marília Arraes (PT), que aparece com 18% na segunda colocação. A petista está tecnicamente empatada com Mendonça Filho (DEM), que registrou 16% e, no limite da margem de erro, também empatada com Delegada Patrícia (Podemos), que tem 13%.

Coronel Feitosa (PSC), Marco Aurélio (PRTB), Charbel (Novo) e Thiago Santos (UP) foram mencionados por 1% dos entrevistados. Os candidatos Carlos Andrade Lima (PSL) e Cláudia Ribeiro (PSTU) têm 0%. Brancos e nulos somam 10%, enquanto os pesquisados que indicaram que não sabem ou ainda que não responderam somam 6%. O candidato Victor Assis foi incluído nesta pergunta, mas não foi citado por nenhum respondente. A margem de erro máximo estimada do estudo é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos, com a utilização de um intervalo de confiança de 95,45%. O estudo foi realizado nos dias 20 e 21 de outubro e consultou 800 pessoas.

Na primeira sondagem, realizada nos dias 22 e 23 de setembro e publicada no dia 25 de setembro, a disputa trazia Marília Arraes com 22% e João Campos com 16%. Mendonça, por sua vez, registrou 13% e a Delegada Patrícia 14%. Entre os demais prefeituráveis, Marco Aurélio foi mencionado por 2%, enquanto Thiago Santos, Coronel Feitosa, Carlos Andrade Lima e Charbel, 1%. Cláudia Ribeiro e Victor Assis apareciam com 0%. Os recifenses que afirmam votar branco, nulo ou não votar, somavam 21%. Já os que não souberam ou não responderam eram 8% no primeiro resultado.

A segunda pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo PE-01392/2020.

Segundo turno
A pesquisa Ipespe/Folha de Pernambuco também perguntou aos entrevistados em quem eles votariam em simulações de segundo turno no município. Em uma disputa entre João e Marília Arraes, o socialista teria 43% e a petista 37%. Os recifenses que indicaram votar branco, nulo ou nem registrar o voto somam 17% e os que não sabem ou não responderam representam 3%.

Já numa simulação entre João Campos e Mendonça Filho, o candidato do PSB seria eleito com 45%. O democrata teria 32%. Votos brancos, nulo ou “nenhum” são 21% e os que não sabe ou não responderam são 2%.

Em outro quadro, entre Marília Arraes e Mendonça Filho, a petista teria 44% contra 39% do democrata. Brancos, nulos ou “nenhum” são 15% e não sabem ou não responderam são 2%.

Em uma simulação entre João Campos e a Delegada Patrícia, ele registraria 45% dos votos contra 40% da postulante. As indicações de votos brancos, nulos ou “nenhum” são 13% e não sabem ou não responderam são 2%.

O panorama de uma decisão entre a Delegada Patrícia e Marília Arraes é o mais acirrado entre os apresentados aos eleitores. A delegada teria 42% e a petista 41%. O quantitativo de votos brancos, nulos ou “nenhum” somam 14% e os que não sabem ou não opinaram totalizam 3%.

Por fim, na hipótese de um embate no campo de centro-direita, a Delegada Patrícia venceria Mendonça Filho com 43%. O democrata teria 32%. Brancos, nulos ou “nenhum”são 22% e não sabem ou não responderam são 3%.

Confira os resultados detalhados da pesquisa na edição desta sexta-feira (23) da Folha de Pernambuco.

Pesquisa Datafolha no Recife: João Campos, 31%; Marília Arraes, 18%; Delegada Patrícia, 16%; Mendonça Filho, 15%

Por G1 PE

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (22) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para a prefeitura do Recife nas Eleições 2020:

João Campos (PSB): 31%
Marília Arraes (PT): 18%
Delegada Patrícia (Podemos): 16%
Mendonça Filho (DEM): 15%
Coronel Feitosa (PSC): 2%
Carlos (PSL): 1%
Charbel (Novo): 1%
Thiago Santos (UP): 1%
Nenhum/branco/nulo: 12%
Não sabe/não respondeu: 4%
Marco Aurélio Meu Amigo (PRTB) e Claudia Ribeiro (PSTU) foram citados, mas não atingiram 1% das intenções de voto. Victor Assis (PCO) não foi citado.

Em relação ao levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 8 de outubro:

João Campos (PSB): saiu de 26% para 31%
Marília Arraes (PT): saiu de 17% para 18%
Delegada Patrícia (Podemos): saiu de 10% para 16%
Mendonça Filho (DEM): saiu de 16% para 15%
Coronel Feitosa (PSC): saiu de 1% para 2%
Carlos (PSL): se manteve em 1%
Charbel (Novo): tinha menos de 1% e, agora, 1%
Thiago Santos (UP): tinha menos de 1% e, agora, 1%
Claudia Ribeiro (PSTU): se manteve com menos de 1%
Marco Aurélio Meu Amigo (PRTB): saiu de 2% para menos de 1%
Victor Assis (PCO): tinha menos de 1% e, agora, não foi citado
Em branco/nulo/nenhum: saiu de 21% para 12%
Não sabe: saiu de 5% para 4%

Veja a pesquisa anterior do Datafolha, divulgada em 8 de outubro.

Destaques por segmento
De acordo com o Datafolha, João Campos registrou avanço mais intenso entre as eleitoras do Recife (passou de 25% para 33%), na faixa de 45 a 59 anos (de 20% para 30%), na parcela com a escolaridade fundamental (de 32% para 47%), entre os mais pobres, com renda familiar de até dois salários mínimos (de 28% para 38%) e entre evangélicos (de 23% para 33%). Entre os mais ricos, houve queda na preferência pelo candidato do PSB: entre quem tem renda de cinco a dez salários, suas intenções de voto passaram de 16% para 11%.

Apesar da estabilidade em relação à pesquisa anterior, com oscilação positiva dentro da margem de erro, Marília Arraes ganhou força em segmentos em que já aparecia com destaque no início do mês, como o eleitorado mais escolarizado, em que passou de 23% para 27%. Na faixa de renda familiar que ganha de cinco a dez salários, a petista passou de 25% para 32%.

A candidatura de Mendonça Filho ganhou quatro pontos entre os mais velhos (de 20% para 24%), segmento no qual só fica numericamente atrás de Campos, que tem 32%.

Delegada Patrícia avançou em quase todos os segmentos do eleitorado, à exceção dos mais velhos, no qual passou de 13% para 10%. Mais velhos, mais ricos e menos escolarizados (no qual também tem 10%) são, por ora, os pontos mais fracos da candidata do Podemos, que tem intenções de voto bem distribuídas entre os demais grupos sociodemográficos.

Dentro do universo de 21% dos eleitores que têm o PT como partido de preferência no Recife, a escolha por Marília Arraes passou de 36% para 42%, e os demais se dividem, principalmente, entre Campos (33%), Delegada Patrícia (10%) e Mendonça (7%).

Grau de conhecimento do entrevistado sobre o candidato:
Mendonça Filho (DEM): 94% conhecem (muito bem, 34%; um pouco, 29%; de ouvir falar, 31%); 6% não conhecem
João Campos (PSB): 92% conhecem (muito bem, 28%; um pouco, 31%; de ouvir falar, 33%); 8% não conhecem
Marília Arraes (PT): 84% conhecem (muito bem, 21%; um pouco, 27%; de ouvir falar, 36%); 16% não conhecem
Delegada Patrícia (Podemos): 68% conhecem (muito bem, 9%; um pouco, 18%; de ouvir falar, 40%); 32% não conhecem Coronel Feitosa (PSC): 40% conhecem (muito bem, 5%; um pouco, 9%; de ouvir falar, 26%); 60% não conhecem Marco Aurélio Meu Amigo (PRTB): 30% conhecem (muito bem, 4%; um pouco, 9%; de ouvir falar, 17%); 70% não conhecem Carlos (PSL): 13% conhecem (muito bem, 0%; um pouco, 4%; de ouvir falar, 9%); 87% não conhecem Cláudia Ribeiro (PSTU): 12% conhecem (muito bem, 1%; um pouco, 1%; de ouvir falar, 10%); 88% não conhecem Thiago Santos (UP): 11% conhecem (muito bem, 0%; um pouco, 2%; de ouvir falar, 9%); 89% não conhecem Charbel (Novo): 10% conhecem (muito bem, 1%; um pouco, 3%; de ouvir falar, 7%); 90% não conhecem
Victor Assis (PCO): 8% conhecem (muito bem, 0%; um pouco, 1%; de ouvir falar, 7%); 92% não conhecem

Rejeição
A pesquisa também perguntou em quem os eleitores não votariam de jeito nenhum. Os percentuais foram os seguintes:

João Campos: 34%
Mendonça Filho (DEM): 28%
Coronel Feitosa (PSC): 27%
Marília Arraes (PT): 22%
Charbel (Novo): 21%
Victor Assis (PCO): 21%
Carlos (PSL): 20%
Marco Aurélio Meu Amigo (PRTB): 17%
Thiago Santos (UP): 17%
Claudia Ribeiro (PSTU): 16%
Delegada Patrícia (Podemos): 15%
Não votaria em nenhum: 4%
Poderia votar em todos: 2%
Não sabe/não respondeu: 5%

Em relação ao levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 8 de outubro, a rejeição aos candidatos evoluiu da seguinte forma:

João Campos: saiu de 30% para 34%
Mendonça Filho: saiu de 32% para 28%
Coronel Feitosa: saiu de 21% para 27%
Marília Arraes: saiu de 15% para 22%
Charbel: saiu de 18% para 21%
Victor Assis: saiu de 17% para 21%
Carlos: saiu de 17% para 20%
Marco Aurélio Meu Amigo: saiu de 15% para 17%
Thiago Santos: se manteve em 17%
Cláudia Ribeiro: saiu de 12% para 16%
Delegada Patrícia: saiu de 13% para 15%
Rejeita todos/não votaria em nenhum: saiu de 9% para 4%
Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: se manteve em 2%
Não sabe: saiu de 6% para 5%

Simulações de segundo turno
O Datafolha também questionou se, caso o segundo turno da eleição para prefeito fosse hoje, em qual candidato os eleitores votariam, apresentando três cenários. Os números são os seguintes:

João Campos 40% x 37% Marília Arraes
João Campos 43% x 43% Delegada Patrícia
João Campos 48% x 36% Mendonça Filho

Sobre a pesquisa
A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “Folha de S. Paulo”.
Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos
Quem foi ouvido: 868 eleitores da cidade do Recife
Quando a pesquisa foi feita: nos dia 20 e 21 de outubro
Número de identificação no TRE-PE: PE-05988/2020

O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro.

TRE-PE apresenta Julia, chatbot que vai facilitar a vida do eleitor

De olho nas novas gerações e nas facilidades trazidas pelas inovações tecnológicas, o Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) lançou mais uma ferramenta para aproximar o eleitor dos serviços prestados por esta Justiça Especializada. O nome dela é Julia, chatbot desenvolvida para uso nos celulares Android e iOS, através do aplicativo Telegram, bem como para uso em computadores e notebooks.

A assistente virtual, batizada a partir de uma junção dos termos “Justiça Eleitoral” e “IA” (Inteligência artificial), vem sendo treinada para responder às perguntas mais comuns dos cidadãos antes, durante e após as eleições. Julia, cujo nome também é uma homenagem à filha de um dos desenvolvedores, vem sendo desenvolvida desde abril deste ano.

Para acessar, basta entrar no Telegram e, no campo de busca, digitar “Julia TRE-PE”. A partir daí, já é possível conversar a assistente virtual. Além de acessar Julia pelo Telegram, o eleitor poderá iniciar a conversa com a assistente virtual clicando na seção “Fale Conosco” do site do TRE-PE (www.tre-pe.jus.br). Lá, estarão disponíveis os três canais de atendimento ao eleitor pernambucano: o chatbot, a Ouvidoria e os telefones das Zona Eleitorais.

“Esta é mais uma iniciativa da atual gestão a serviço da eficiência, que tem a mais valia de aproximar o eleitor desta Justiça Especializada, mediante a utilização de novo equipamento tecnológico posto à disposição do destinatário final do serviço eleitoral”, diz o presidente do TRE-PE, desembargador Frederico Neves.

Apesar de ter sido lançada com o intuito de auxiliar na realização das Eleições Municipais 2020, a serem realizadas no próximo dia 15 (segundo turno no dia 29), a funcionalidade permanecerá como mais um meio de atendimento ao eleitor. “Queremos, a partir dessa nova ferramenta, intensificar nossa interação com os eleitores”, comenta o diretor-geral do TRE-PE, Orson Lemos.

O projeto foi inteiramente desenvolvido e implementado por equipe da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Stic), formada pelo secretário George Maciel e pelos servidores Davyson Costa, Luís Antônio Rigotti, Mlexener Romeiro, Mônica Farah, Paulo André da Fonte e Suzana Schimmelpfeng.

Um dos principais benefícios da ferramenta é que ela irá concentrar informações antes retidas no site institucional em uma plataforma mais moderna, intuitiva e, sobretudo, responsiva. Dúvidas sobre a regularidade da situação eleitoral, número do título, local de votação, procedimentos de segurança do pleito, nomes e informações a respeito dos candidatos a prefeito e vereador, propaganda eleitoral, entre outras, serão prontamente sanadas.

O serviço, que já está ativo, funcionará 24 horas, em todos os dias da semana.

A plataforma também direciona o eleitor para serviços de emissão de certidões eleitorais, resultados de votação assim que forem disponibilizados no dia do pleito, bem como encaminha as demandas que eventualmente não forem atendidas por ela para um servidor da Justiça Eleitoral. Este servidor entrará em contato com o solicitante através da mesma conversa iniciada com a assistente virtual.

“Os eleitores vão ter acesso a informações de forma ágil, poupando recursos do Tribunal, que antes precisava fazer a contratação de terceirizados para atendimento à demanda do Disque Eleitor”, disse Mlexener Romeiro, da STIC.

Já o secretário George Maciel reforçou ainda que o mecanismo servirá como “um filtro de atendimento”, evitando chamadas desnecessárias e promovendo uma maior produtividade e agilidade no atendimento ao eleitor.

É assim que, além de prestar um relevante serviço para toda a sociedade, a assistente virtual trará diversas melhorias para a Justiça Eleitoral pernambucana, inclusive a longo prazo, produzindo economicidade de recursos e aumento de eficiência.

Vale destacar ainda que a arquitetura do programa foi pensada de modo a permitir a sua integração com outros serviços do TRE-PE, direcionando o eleitor para plataformas como o Pardal (aplicativo para denúncias) e o E-título (o título de eleitor no smartphone)

Pioneiro na comercialização de alimentos orgânicos, Espaço Agroecológico das Graças completa 23 anos

Fundado em 16 de outubro de 1997, o Espaço Agroecológico das Graças, ou Feira Agroecológica das Graças, foi o primeiro local voltado à comercialização de produtos orgânicos de Pernambuco, servindo de referência para outras feiras semelhantes distribuídas por todo o Estado. Por ano, segundo estimativa da Gerência de Processos Agroecológicos da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), a Feira das Graças é responsável pela comercialização de aproximadamente 300 toneladas de alimentos.

Hoje, 23 anos após a criação da Feira das Graças, existem 121 feiras orgânicas em Pernambuco, que integram o Circuito Pernambuco Orgânico, programa criado pela Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA) para incentivar a implantação de novas feiras e difundir o consumo de alimentos saudáveis entre os pernambucanos.

Funcionando atualmente na Rua Souza de Andrade, aos sábados, das 2h às 9h, a feira integra a Rede Espaço Agroecológico do Recife, reunindo 18 barracas e 20 famílias de agricultores que chegam de vários municípios. “A feira reúne agricultores de quatro municípios: Bom Jardim, Gravatá, Chã Grande e Abreu e Lima; e oferece ao público desde alimentos in natura, como frutas e verduras, a alimentos beneficiados, como derivados de leite”, explica o coordenador do espaço, Rafael Justino Brás.

Também estão envolvidos diretamente com o Espaço Agroecológico das Graças quatro Organizações de Controle Social (Agroflor, Terra e Vida, Amaterra e Terra Viva), que são responsáveis por atestar as práticas orgânicas ou agroecológicas adotadas pelos agricultores na produção dos alimentos; e o Centro Sabiá, como entidade de assessoria desde a implantação do Espaço. “Aqui executamos a etapa final, que é a comercialização dos produtos, mas o processo começa antes, no plantio dos alimentos em cada propriedade”, destaca Rafael.

Como os demais espaços voltados ao atendimento ao público, o Espaço Agroecológico das Graças precisou passar por adaptações por causa da pandemia mundial da Covid-19. “Desde o início da pandemia, a Secretaria de Desenvolvimento Agrário adotou uma rotina de visitas e orientações para que as feiras adotassem medidas de prevenção à Covid-19, como o maior distanciamento entre as barracas, distribuição de álcool em gel e máscaras e o ordenamento do atendimento aos consumidores”, explica o gerente de Processos Agroecológicos da SDA, Maílson Rodrigues.

Além das medidas relacionadas à Covid-19, Maílson explica que a SDA vem adotando algumas medidas para reforçar a estrutura e o funcionamento das feiras. “Aqui nas Graças, por exemplo, conseguimos fazer, em parceria com a Prefeitura do Recife, o ordenamento das vagas para estacionamento no entorno da feira, além da aquisição de balanças e galeias (cestas para hortifrútis) para os agricultores”, lembra.

Para o secretário de Desenvolvimento Agrário de Pernambuco, Dilson Peixoto, o incentivo à produção e comercialização de produtos orgânicos é fundamental diante da liberação de cada vez mais agrotóxicos pelo Governo Federal. “Apenas no governo Bolsonaro já foram liberadas 674 fórmulas de agrotóxicos, dos quais 474 apenas em 2019, a maior quantidade em 15 anos. Nesse contexto, o fortalecimento da produção e comercialização de produtos orgânicos é fundamental para garantir uma alimentação saudável aos brasileiros”, afirma Dilson.

Covid-19: TCE faz balanço de atividades na pandemia

O Tribunal de Contas do Estado divulgou um balanço de atividades de fiscalização desenvolvidas pela Instituição nos sete meses de pandemia do novo coronavírus.

O relatório traz números sobre auditorias formalizadas, alertas emitidos aos gestores, medidas cautelares expedidas pelos relatores, recomendações conjuntas, publicação de cartilhas sobre merenda escolar e admissão de pessoal, atuação do Ministério Público de Contas, cursos e atividades desenvolvidas pela Escola de Contas do TCE, entre outros.

O Tribunal de Contas começou a atuar na fiscalização dos gastos com a Covid-19 no início da pandemia, quando começaram a surgir casos do novo coronavirus em Pernambuco, e o Poder Público anunciava as primeiras medidas de enfrentamento e combate à doença.

Diante dos impactos causados pelo novo coronavírus no Estado e municípios, o TCE passou a atuar de forma célere e tempestiva, acompanhando de perto as aquisições emergenciais e procurando oferecer orientações e informações técnicas ao gestor, sem descuidar do seu papel fiscalizador.

“Desde o início da pandemia, o Tribunal de Contas vem atuando na fiscalização e fazendo um acompanhamento orientador da gestão pública, sem deixar de inibir práticas administrativas que atentem contra a legalidade, a moralidade e a eficiência do gasto público”, afirmou o presidente, Dirceu Rodolfo de Melo Júnior. “Têm sido muitas as formas e os instrumentos usados pelo TCE para efetivar os seus desígnios institucionais, como alertas, recomendações, cautelares e processos de auditorias”, disse ele.

Uma das primeiras ações do TCE foi a criação de um site específico sobre o coronavírus para tirar dúvidas dos gestores sobre leis, normativos, aquisições e contratações emergenciais, além de oferecer informações atualizadas sobre a atuação da Instituição. O hotsite teve mais de 30 mil visualizações de março a outubro.

De março a outubro, foram formalizados 103 processos de auditoria especial e realizadas 711 atividades de acompanhamento das aquisições e dos gastos feitos pelo Poder Público, alcançando um volume de recursos fiscalizados na ordem de mais de 700 milhões de reais.

Neste período, os relatores expediram 163 medidas cautelares determinando aos gestores a suspensão de licitações, contratos e pagamentos que apresentavam indícios de irregularidades, numa atuação preventiva para evitar possíveis prejuízos aos cofres públicos.

Também foram emitidos 141 alertas de responsabilização aos gestores, chamando atenção para indícios de irregularidades nas despesas com a Covid-19.

A atuação preventiva do TCE neste período gerou uma economia para os cofres públicos de mais de R$ 48 milhões, além de mais de R$ 9 milhões devolvidos por Organizações Sociais de Saúde aos cofres do Estado e da Prefeitura do Recife.

desempenho do Ministério Público de Contas também revela o acompanhamento célere e permanente nos gastos com a Covid-19 nos sete meses de pandemia. Foram emitidas 56 representações, 17 recomendações aos gestores, sendo dez em conjunto com o TCE e cinco em conjunto com o Ministério Público Federal e Estadual, 11 pareceres, três recursos e 76 requisições enviadas aos gestores.

A Ouvidoria, canal direto de comunicação do TCE com a sociedade para receber denúncias e reclamações, atendeu, de março a outubro, 1.721 demandas, um número 20% maior que o registrado no mesmo período do ano passado.

Com a suspensão das aulas presenciais e buscando manter o andamento das suas ações, sem prejuízo ao público, a Escola de Contas investiu em capacitações online, com a realização de 97 cursos e conversas ao vivo, que contaram com a participação de mais de 5 mil pessoas.

Os números mostram o compromisso do TCE com sua missão de zelar pelo bom uso do dinheiro público em Pernambuco. “Estamos certos de que este é o caminho para o imprescindível controle dos recursos públicos em meio à crise de saúde que vivenciamos nos últimos meses. O TCE continuará sempre atento, zelando pela efetivação das políticas públicas, de modo a assegurar que a população tenha acesso a bons serviços, notadamente na área de saúde”, afirmou Dirceu Rodolfo.

Confira abaixo um resumo das ações

PIB pernambucano tem alta de 2% entre Julho e Agosto

Pernambuco registrou crescimento de 2% em seu Produto Interno Bruto entre julho e agosto desse ano. É a quarta alta consecutiva na variação mensal. Agosto foi o primeiro mês, desde fevereiro, a ter variação positiva em comparação ao mesmo período de 2019 – com um aumento de 0,3%. No acumulado dos últimos doze meses, o PIB do Estado caiu 2%. O dado foi revelado em um novo boletim mensal sobre a economia pernambucana, divulgado ontem (21) pela Agência Condepe/Fidem.
Agosto dá início à divulgação mensal desse novo boletim do Produto Interno Bruto (PIB), já anunciado no final da apresentação dos dados do 2º trimestre deste ano, em coletiva realizada pela Condepe/Fidem. A agência já produzia um estudo trimestral desse indicador, com a análise da agropecuária, da indústria e dos serviços.
Segundo o diretor de Estudos e Pesquisas da entidade, Maurílio Lima o objetivo do levantamento mensal é de oferecer um panorama mais atual da evolução da economia pernambucana, “a exemplo do PIB trimestral, este modelo tem um referencial metodológico do Sistema de Contas Regionais, para assegurar os princípios de compatibilidade e comparabilidade com os resultados do PIB Nacional, portanto em permanente ajuste com este”, registra o diretor.
A ótica do produto, com os cálculos dos Valores Adicionados (VAB) de 17 ramos de atividade econômica (entre elas a agropecuária, construção civil, serviços, administração, saúde, alojamento, entre outras) foi a metodologia adotada para realizar o levantamento mensal. Maurílio Lima explica que, em termos de volume, os indicadores do VAB, dos Impostos e do PIB, são utilizados aproximadamente 194 variáveis com significância para acompanhamento setorial. Os resultados desses cálculos são apresentados agregados nos três grandes setores (agropecuária, indústria e serviços), Valor Adicionado Bruto e PIB.
DADOS – O PIB do estado começou a apresentar crescimento na variação mensal em maio (5,5%), junho (2,7%), julho (4,6%) e agosto (2%).  Na base de comparação entre agosto de 2020 com o mesmo mês do ano passado, a indústria apresentou a maior recuperação, com crescimento de 7,6%. A agropecuária também registrou alta, com 2,2%. Em contrapartida, o setor de serviços ainda registrou taxa negativa de 1,5%. ?Essa recuperação mostra que é reflexo da volta das atividades, da abertura da economia mesmo com as limitações dos protocolos. A indústria de transformação teve importância, com influência positiva do segmento automotivo em Pernambuco. A agropecuária não foi tão afetada pela pandemia. Já no setor de serviços, vários segmentos sinalizaram recuperação em relação ao mês de julho, principalmente o comércio varejista e atividades turísticas, mas ainda não atingiu os patamares observados no mesmo período de 2019, acrescenta o diretor.